O que mais te inspira?

A pergunta era aparentemente simples:
O que mais te inspira?
Num primeiro momento, intuitivo, respondi que eram “as pessoas e as suas diversidades… E o amor, claro”. 
Mas depois fiquei a pensar, acrescentei o cheiro da terra depois da primeira chuva, e um olhar. E uma lareira. E à medida que o dia passava e entrava pela noite dentro, lembrei-me da gargalhada do meu filho, do génio de David Sylvian, do mar da praia da Aberta Nova. E de um café. E de um Jameson seco num copo baixo. E de todas as palavras que gostei de ler e sei reler. Da música que faz o Rodrigo Leão, do piano de Sakamoto. Das fotografias de Koudelka. De mim a cozinhar. Dos bocados de palco que ainda há com Elis Regina. De Frank McCourt e da sua vida. Pessoa, Vergílio Ferreira. De Satie. De ostras, evidentemente. E de aeroportos. Chocolate. Água a correr pelo corpo. E camas feitas de lavado.
Acho que a lista não ía terminar tão depressa. 
Terei mentido quando disse, na rapidez da resposta, “as pessoas e as suas diversidades… E o amor, claro”? Claro que não. É só disso que se trata em cada uma das linhas da lista que se seguiu. Afinal, não há nada que me inspire e eu respire que não passe por pessoas, as suas diversidades, e o amor. Claro.


A propósito da ‘viagem’ que Pedro Rolo Duarte agora começou, lembrei-me deste texto, publicado a vinte de janeiro de 2012  no seu blog, com que me deparei numa pesquisa que fiz há uns tempos. O jornalista, que me lembro de ver e ouvir na rádio e na televisão, não conheci muito bem nem acompanhei muito de perto o seu trabalho. No entanto, reconheço-lhe talento, cultura e profissionalismo. Ironicamente, a semana é marcada, ainda, pela partida de João Ricardo, ator, dos grandes, humilde, que não conseguiu enganar o palhaço dentro de si nem enganar-nos com as suas palhaçadas. Talentosíssimo e profissional, também! 




Dois exemplos de dedicação que nos inspiram. Nas suas diversidades, mostraram o amor com que se entregaram ao melhor que faziam. E o amor… esse não mente! É isso mesmo! É o amor que nos salva!